…e a partir daí todos os pobres mortais começaram a se acotovelar na porta destas enormes empresas, todos na esperança de uma mão estendida, um sinal, ou algo que pudesse colocá-las sob o raio de luz do main-stream. Aí com o passar do tempo essa criação foi ficando cada vez maior, até chegar ao ponto de começar fazer coisas que até Deus duvidava. Então Deus já meio puto com essa história toda, resolveu dar uma desencanada, curtir um pouco a vida, ou sei lá mais o que, e criou outro lance pra passar o tempo, criou a internet. Qual não foi a reação das gravadoras a essa criação? Demônios, capetas, hereges, maldição do século 20! Todos! Inclusive seus filhos myspace, facebook etc…

Com o passar do tempo as coisas mudaram, e mudaram muito. Essas antes gigantescas e intocáveis gravadoras começaram a ver o seu reinado ruir, perdendo assim terreno pra esses piratas malditos. Vamos processar, acabar com eles, destruir! Nada disso deu certo, pelo contrário, a guerra cada vez mais mostra que as gravadoras estão no fade out. O pirate bay, o mininova são sites de BitTorrent que estão entre os mais acessados de todo o mundo sabia? E o pior aconteceu, os artistas que antes pediam pela-mor-de-deus para entrar, agora estavam pedindo pela-mor-de-deus pra sair!

E hoje?

Bem, hoje as coisas ainda estão mudando, e os artistas ainda estão indo embora. Só pra vocês terem uma idéia, a banda Eagles criada lá no início dos anos 70, que nem é tão conhecida assim por aqui (mas que nos EUA são reis) fecharam um acordo com o Wal-Mart de venda direta de seu mais recente álbum o Road Out of Eden em suas prateleiras. Com o álbum anterior pela gravadora os caras tiveram uma arrecadação em royalties de 17 milhões de dólares. E com esse novo álbum que ainda vende por volta de 15.000 (QUINZE MIL!) unidades por semanna? Os caras ainda não divulgaram os números, apenas afirmaram que “nenhuma gravadora poderia dar royalties como os  que nós acertamos no nosso acordo direto com o Wall-Mart”. Imagina a grana que os caras estão levando heim?

Outro exemplo?

Radiohead, banda que todo mundo conhece agora por aqui por causa do hype todo causado ano passado por causa do álbum In Raybons, pra refrescar a memória, os caras colocaram esse disco no site pra neguinho poder baixar e pagar quanto quisesse, de 0 a quanto quisesse. As gravadoras cairam de pau, “não vai vender nada, vão quebrar a cara, vão se lascar”. Bem, o que aconteceu foi que segundo a ComScore (que é uma empresa de pesquisa na internet) levantou que a média paga pelo download foi de 6 dólares. (Alguém falou em 6 dólares? Alguem lá no Wall Mart levantou o braço e já avisou que se as gravadoras nao começarem a vender os CDs a menos de 10 dólares a casa vai cair!) E como se não bastasse o CD estreou na semana de lancamento em primeiro lugar na Billboard. Resultado, numa combinação de CDs e downloads a banda levantou 5 milhões de dólares em royalties, nada mau pra quem estava dando o disco de graça heim?  E o álbum anterior? Bem, o álbum de 2003  Hail to the Thief rendeu 2 milhões pra banda, álbum esse que saiu pela gravadora, auch 01!

Então você diz: Mais ai fica fácil, os caras sairam justamente agora? Depois que as gravadoras gastaram uma puta grana…

pra colocar os caras na mídia e fazendo os caras virarem megastars? Pois é, existem os dois lados, e é até por isso que as gravadoras estão entrando no ramo de shows, elas estão querendo entrar com uma grana pra levar uma fatia disso, que até então pertencia somente aos artistas. E os indie-não-famosos? Sim, aqui estão. Ghostland Observatory é uma dupla que já tem 3 CDs lançados de forma indie totalizando 50.000 cópias, você pode dizer que é pouco né? Mas os caras estão super satisfeitos com o lucro. Também tem a cantora Ingrid Michaelson que lançou seu primeiro álbum de forma indie também pelo seu próprio selo, o Cabin 24. Ela conseguiu fazer com que suas músicas tocassem durante a série Grey´s Anatomy. As gravadoras voaram pra cima dela e fizeram diversas ofertas, ela recusou todas: “Agora que aconteceu vocês correm atrás de mim? Não obrigada!” Auch 02!